DSEI Rio Tapajós realiza roda de conversa sobre a importância e a adesão do exame PCCU

O DSEI Rio Tapajós realizou na Aldeia Tio das Tropa uma roda de conversa sobre a importancia e a adesão do exame PCCU com as mulheres indígenas com o objetivo de sensibilizar no contexto da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama e colo útero.

O publico alvo da ação realizada era mulheres indigenas na faixa etária de 25 a 64 anos. A ação contou com a participação de 31 mulheres. Abaixo outros objetivos na realização da campanha:

– Informar sobre os índices e indicadores de saúde sobre o câncer de colo útero em mulheres indígenas de outras regiões da Amazônia.

– Promover atividades de educação em saúde com uso de material didático e lúdico voltado para a prevenção do câncer de Mama e colo do útero.

– Realizar orientações gerais sobre os cuidados e prevenção da doença com as mulheres em todas as faixas etárias no ambito individual e coletivo sobre o autocuidado preventivo do câncer de Mama e colo do útero.

– Priorizar a busca ativa domiciliar em mulheres com queixas clinicas, considerando as situações epidemiológicas da SG e SRAG, com ações prioritárias e de extrema relevância de modo a minimizar o contato que eventualmente possa ser postergado em função da pandemia da COVID-19.

As atividades realizadas na ação teve a ilustração em maquete lúdica com os diversos níveis e tipos de colo uterino, no intuto das mulheres indígenas visualizarem e compreenderem as diferenças de um colo normal até nas formas graves de NIC III. Apresentação e apoio no repasse das informações através de folder no idioma materno e uma roda de conversa no café da manhã como forma de buscar o maior quantitativo de mulheres indígenas na aldeia, para discussão sobre o tema, promoção e prevenção da doença.

Diante do exposto, temos uma população mais informada em relação ao processo de manifestação da doença e seus agravos, uma vez que a EMSI investiu na educação em saúde, trazendo material didático para facilitar a compreensão dos indígenas assistidos no território.

 88 

Comments are closed